quarta-feira, 29 de março de 2006

Isolamentos

Não tenho palavras que cheguem, para descrever tal imagem…… ele, apenas ele lá em cima, tão isolado, tão brilhante, tão frágil, ao fundo as cores estonteantes da tenda do seu trapézio que vertiginosamente afunilavam até se juntarem num ponto só…e eu ali, parada no chão, de nariz virado para o tecto sem conseguir desviar os olhos ou fechar a boca… Que bonito pensei….

Enquanto a coragem não me chegou, fiquei ali a ver o Trapezista a baloiçar a vida, sim era disso que se tratava, a sua vida num trapézio….exposta, iminente, urgente…em risco de queda….

Enchi o peito de ar e coragem …mandei-lhe um sorriso de pino….e inacreditável… ele sorriu de volta….então começou devagarinho a descer do seu trapézio, com muito muito cuidado onde punha os pés ao descer degrau a degrau…o seu trapézio não tinha rede….
eu??....eu, nem queria acreditar....

Ainda desce….mas sorri de volta…entre degraus.

1 comentário:

Isolamentos disse...

...impossível seria não (te) sorrir. ainda bem que (nos) adivinhaste. ainda bem. agora vou-me, mas volto depois, e na volta trago uma mesa de café. *