quinta-feira, 29 de setembro de 2005

As aldeias e a amnésia….

É frequente encontrar pessoas, que por este ou aquele motivo tiveram de fazer uma deslocação à aldeia que as viu nascer dizerem indignadas, que durante a estadia, se cruzaram com pessoas que desconheciam, nomeadamente colegas da primária ou parentes afastados, e que as mesmas lhes falaram como se nunca se tivessem separado.

Frases tipo:

……”Sabia lá que era o filho da Tia Almerinda….apesar dele ter morado em casa da mãezinha dos 10 aos 17, já não me lembrava dele….e o pior é que a cabra da mulher dele ficou a que eu estava a mentir…….cabra gorda”…….

Quando por acaso do destino, me reencontro com alguma alminha que tenha partilhado comigo a experiência da primaria, é sempre com enorme alegria que por instantes a minha mente viaja no tempo, e imagino aquela figura agora com +/- 27 aninhos, novamente de bata (castanha ou laranja conforme o sexo) a correr no recreio, ou à minha frente ou atrás de mim……..

Mas que raio de brincadeiras de infância tem eles na aldeia, que assim que vêm para a cidade e casam, quando regressam não se lembram de nada ou de ninguém………

8 comentários:

lena disse...

A coisa tem coisas quie a razão desconhece ;D

A aldeia aproxima muito as pessoas.Mas é para bem ou mal :D

Palavra disse...

As vidas cruzam-se, separam-se e voltam-se a cruzar.. às vezes queriamos ter-nos separado, mas outras vezes desejamos que nos tenhamos cruzado.. as memórias, essas, perduram..

Palavra disse...

Desapareces aos fins de semana.. esse é o único motivo pelo qual esperamos que Segunda chegue depressa.. :)

Kiau Liang disse...

Também recebo as segundas-feiras com outro sorriso....:)

Palavra disse...

E no que depender de mim, receberás todos os outros dias com um sorriso ;)

Kiau Liang disse...

Não imaginas o quanto esse sorriso já me faz falta...:)

Palavra disse...

Na verdade, vai deixar de fazer falta porque tê-lo-às :)

Palavra disse...

Boa viagem :) regressa em forma para continuarmos a sonhar bem alto..