quinta-feira, 20 de abril de 2006

Exorcismos

Como é que se perdoa alguém que nos destruiu a vida, os sonhos projectados durante anos os planos de acabou com o futuro de uma relação baseada na amizade, companheirismo, amor, partilha, paixão...?

Como é que se perdoa uma pessoa, que nos mente, nos ilude, ora com palavras, ora com silêncios, ora com gestos, que todos os dias nos vão violentando por dentro e por fora e consequentemente destruindo tudo, de cada vez que a mascara cai?

Como é que se perdoa a alguém que é fútil, irresponsável, infantil, leviano, que mente, que até já tirou dinheiro em casa, que é maldoso e pouco honesto com todas as pessoas da sua vida, que nos arrastou com meias verdades para um mundo de ilusão e quando a cortina caiu, o teatro acabou, não restava mais nada que não fosse dor, magoa, e uma enorme sensação de vazio, de quem não entende que mal terá feito, ou sequer o que terá acontecido?

....e quando esse alguém somos nós?....

São só palavras o que por aqui vai dia após dia, sim cada um opta por mostrar o seu melhor mundo, a sua melhor visão das coisas, para mim chega das minhas meias verdades, e por agora chega de falar de mim....vou me encolher ali num cantinho enquanto preparo uma vida nova, enquanto tento renascer, quero voltar uma pessoa melhor....por favor não façam muito barulho.....

9 comentários:

Desinformador disse...

posso sempre passar por esse cantinho e regar a planta nova que vai nascer...

é só levar o líquido certo...

Palavra disse...

Não me interessa se existe futilidade, irresponsabilidade, infantilidade, mentira ou até algum levianismo.. apenas interessa se esse tempo mudou ou se estás disposta a mudar..
Quando há amizade, companheirismo, amor, partilha, paixão.. o perdão após a desilusão é difícil, mas consegue-se com muito esforço..
Quando o perdão é sobre nós próprios a ferida que doi sentir-se-à por algum tempo mais, mas vai sarando à medida que as nossas atitudes merecedoras de reprovação vão sendo substituidas por outras que merecem saudação..
Ontem vi na Oprah Winfrey a história verídica de três irmãos que descobriram que o pai tinha assaltado sete bancos e era procurado pela polícia.. descobriram que o pai tinha uma amante e que pedia dinheiro aos filhos apenas para encobrir o facto de estar rico, para mostrar que não tendo trabalho também não poderia ter dinheiro.. a mulher chegou inclusivamente a hipotecar a casa por não haver dinheiro e ele nem um tostão da sua fortuna escondida foi usado para melhorar a situação financeira da família.. os três irmãos tomaram a decição mais difícil das suas vidas que foi denunciar o pai.. denunciaram o próprio pai pelas mentiras que este lhes havia contado durante grande parte da sua vida.. ainda hoje não falam com o pai porque este não entende a posição em que colocou os filhos, na ideia de que eles não o deviam ter denunciado. Faz tudo parte da honestidade, da capacidade de entender o outro.. eles choram por não ter pai, porque o pai que eles conheciam morreu..
Notou-se pela expressão do pai, em directo via satélite de uma das prisões onde está (com pena de 40 anos!), que ele não está arrependido. Carrega em si um sentimento de zanga por os filhos o terem denunciado, sem pensar nas consequências que poderia ter havido se ele tivesse continuado a assaltar bancos.. a sua vida, a vida de outros..
Existem histórias deveras muito piores que as nossas, mas com uma coisa em comum.. a honestidade é a ponte para a resolução de muitos dos problemas e reconhecer os nossos erros, estando dispostos a mudar, é uma das maiores preciosidades que podemos ter e ser..
Reconheceres o erro é importante para que te perdoam. Não sei o que fizeste mas, seja o que for por mim, estás perdoada.. e quem quer que tenhas magoado, espera que o tempo passe e sare as feridas do passado.. um dia, serás perdoada..

mariadarosa disse...

Não querendo fazer barulho, digo baixinho que concordo com tudo o que o palavra escreveu, o que está feito está feito, reconhecer o erro, erguer a cabeça e seguir em frente.
O tempo ... é verdade, cura mesmo tudo.

beijo vizinha
a porta contiua aberta

*

Cusca disse...

**Sem palavras** Mas estou com a/o "palavra".

Hugs

Vodka e Valium 10 disse...

"Wish everything was black and white
Wish I was a better version of myself
(...)
While thinking about you"
Casino [2003]

Luís disse...

Acredites ou não estou a ouvir Civil War e não foi propositado. Não esperava nada este texto depois do que tens escrito ultimamente, mas a vida é mesmo assim. Tens mais é que viver agora o teu inevitável "luto", passar as "passas do Algarve", chorar, fazer-te perguntas sem resposta, comer mal, pensar muito, não ter vontade de fazer nada, viver este período de maior angustia para depois ficares limpinha para o tormento de felicidade que sempre vem depois destes episódios de aprendizagem

rspiff disse...

Olá, vai ao meu blog, que está lá algo que gostava que visses.

kolm disse...

Desengana-te porque para ti nunca me vou calar ou dar-te o espaço que neste momento pensas que precisas. Vou estar contigo neste teu silencio para ouvir as palavras que pensas não precisar de dizer e ajudar-te a preparar essa vida nova. Se possível tentar explicar-te que nem sempre precisamos de uma vida nova basta-nos mudar algumas coisa de lugar, para tudo parecer mais simples...

Oxigénio disse...

cOM ESSAS condições não se perdoa! fecha-se a porta e renovamo-nos. Like a breath of fresh hair. Tens de querer, acreditar e acima de tudo tentar.

Bacci