sábado, 17 de novembro de 2007

Os Dias Mudos....

Chegaste atrasado, fiquei triste e ansiosa, vinhas sempre a correr, e desta feita nem estavas nervoso, dizias.... perdeste o norte ao chegar, escondeste-te atrás de uma caixa de cartão e agias como se estivesses sempre ali, como se fosse normal a tua presença, assim sem nervos, sem ver estrelas daquelas que se vê, quando se vê para lá dos olhos....
Eu acho que estavas nervoso....tinhas aquele sorriso na cara e ocupavas as mãos para que o teu abraço não te denuncia-se.....

Foi tudo tão rápido, o jantar, e entre um momento ou outro arranjavas um motivo para me tocar para estar perto, e eu fugia.... queria tanto abraçar-te... mas não podia....., fogo, não sabes como custou.... mas estava a guardar o melhor dos abraços para o fim da conversa.... tinha esperança....porque já não imaginavas a tua vida sem mim.....

Depois as prendas, os risinhos, o arrastar do tempo....é tão bom estar ali.... das desculpas para não dormir...as piadas tolas do rabo do Charlie, o saco cama, o sofá, os abraços, os pedidos dos beijos, ..... fui muito muito forte... viste?
Mas depois...... apressei as coisas, fiquei ansiosa, precisava falar de nós, tinha tantas saudades, queria ouvir, tanto tempo depois....

...e no teu silêncio percebi que não querias falar, que não ias falar, porque não tinhas nada para dizer, nada para mudar, nenhuma solução.....nada.... nada para sentir....

É este o nosso fim? Perguntaste-me com a cabeça no meu peito, estavas aparentemente tão indefeso, até senti por segundos que desejavas que respondesse que não....e nesse segundo fiquei pequenina, tão pequenina, não respirei, (acho que não voltei a respirar desde então) estava suspensa por um fio de teia de aranha , aquela que imaginaste no lençol durante a noite, e que afinal era um desenho no tecido.....

E caí.... o resto foi defesa....

Deixei no teu carro um bocadinho de mim que não vou voltar a ter de volta, e viste como sorria?, como fiz um esforço para não te massacrar com lágrimas?...eu disse-te que sou muito forte.... Queria tanto tanto beijar-te....e até ao ultimo segundo desejei que tudo fosse diferente....... Não consegui fazer mais do que sorrir.... agradecer o eletrodoméstico e fugir dali.... depois espreitei pelo canto do olho e fiquei a ver-te ir embora...... e explodi.... acho que também choraste....

Sabes, acreditei sempre que era possível, que éramos outros e que podíamos ser estupidamente...tu sabes o quê....

Agora pergunto-me há quanto tempo já o sabías, há quanto tempo já não sentias, há quanto tempo já não querias ser o ombro, o apoio, o amigo, o amante, tu sabes o quê mais..... (desculpa)

Era para sempre lembras-te? E era mesmo para ser....era imenso..... era inconsumível, era tão real, tão real como este vazio que agora ocupa o lugar que esteve cheio de ..... tu sabes....

Obrigada de coração por cada segundo....foi de verdade sabes?, mesmo de verdade....

"E depois de tudo?
Depois de amado o virtualismo? Depois de me brindares com uma felicidade só reservada aos deuses, depois amar-me-às?
Assim, como eu te amo... "

Caiu uma lágrima na tua mão, eu vi que a guardaste, talvez dentro do guiso.... Não a percas, é única, já não se choram lágrimas daquelas....

4 comentários:

FES disse...

mas.. valeu a pena?

Pi disse...

Já vim aqui pelo menos três vezes... E nunca sei o que dizer... Continuo sem saber...
Força!

kolm disse...

Estou como "pi" nunca sei o que dizer!! mas...

... tenho a sensação que as vezes te esqueces... que estou aqui e sempre estive. Tua amiga até ao fim!

Kiau Liang disse...

FES
sim..claro que sim...

Pi
não há nada a dizer.... faz parte de estar a viver....


Kolm...
Estás com saudades minhas?
(manda-me o teu numero, perdi o telemovel...)