terça-feira, 11 de setembro de 2007

Canto do olho

Eu vi, olhavas para mim como já há muito tempo não o fazias, conheço de cor esses olhos, a maneira como me olhavam, como me corriam....

És um cobarde...sempre foste, toda a gente ali e usas os olhos que só eu conheço? patético,
olhei-te com desprezo, sim, e não foi mera arrogância, foi reconhecimento....és patético... e és passado... lamento....

....Aliás, não lamento....foste o melhor fim, que já tive...

9 comentários:

Anónimo disse...

Respira fundo..
..nada nem ninguém vale o nosso próprio sofrimento..





..eu sei.. até eu tenho dificuldade em entender-me a mim próprio..

Anónimo disse...

..hm.. eu já tinha enviado o mail.. não recebeste?..

Anónimo disse...

palavra

Kiau Liang disse...

Palavra
Nao há motivo para tal, apenas sinto pena, e um tremendo desprezo....
Foi alguém que de facto pertence a um passado muito muito distante,
que me deixou, que “tinha de ir mas que um dia quando fosse rico, voltava para me buscar”
Nunca nada me doeu tanto como aquilo na altura.... mas sem saber foi a melhor coisas que me podia ter acontecido.....

...só depois soube isso.... enfim.... está de facto enterrado...

Já te respondi ao mail.... mesmo agora.....

:)

Kiau Liang disse...

A propósito....já começavas um blog!!!







Já respondi...

Seamoon disse...

há fins que são mesmo bons...principalmente quando se olha para trás e se pensa..mas que raio estive eu ali a fazer..eheh.
jinhos

Desinformador disse...

eh lá... deste-lhe com a alma! bolas, podias fazer uma letra para o adolfo lúxuria caníbal cantar com os mão morta... de tão negro que é este post

Pi disse...

É dos grandes (felizes) finais, que se iniciam histórias ainda melhores;)

Kiau Liang disse...

Seamoon, desinformador, Pi
Ainda bem que terminou, não deixa de ser patético

:)